Google+ Followers

domingo, 23 de novembro de 2014

Você consegue resistir ao olhar pidão de seu pet durante a ceia de Natal? Pois precisa!



Faltando quase um mês para as delícias da ceia natalina, o Mundo Pet Magazine apresenta a pesquisa realizada pela Forthglade, marca de ração do Reino Unido, que revela que mais da metade dos donos de cães (61%) oferece guloseimas de natal aos seus animais. 


É verdade que muitos deles (49%) cometem este desatino por acreditarem que os cães fazem parte da família. Mas o fato é que esse "dengo" fará com que grande parte dos amigos adoeçam no final do ano.  



Peru, cebola, alho, uva, passa, abacate, macadâmia, café e chocolate, mesmo parecendo inofensivos, são extremamente tóxicos para os cães e devem ficar longe de seus animais. Sem contar, evidentemente, das bebidas alcoólicas



Triste mesmo é constatar, nesta mesma pesquisa, que 56% dos donos alimentarão seus peludos mesmo sabendo que essa dieta natalina lhes fará muito mal. :(

Caso você não queira passar o dia 25 no veterinário com seu amigão, certifique-se que eles estarão bem longe da mesa de natal.







Fonte pesquisa: Mirror

domingo, 16 de novembro de 2014

Os números do mundo pet mais uma vez confirmam a força deste mercado.

Há alguns anos é sabido que o Brasil é o segundo maior representante do segmento pet em todo o mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos.

Hoje esse mercado representa 0,34% do PIB brasileiro estando à frente dos setores importantes como geladeiras e freezers, componentes eletroeletrônicos e produtos de beleza. Também não é pra menos. A população de caninos e felinos no Brasil conta com mais de 58 milhões de animais (37,1 milhões de cães e 21,3 milhões de gatos). Isso sem considerar pássaros, peixes, roedores e outros bichos.

De acordo com a Abinpet, Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação, o mercado pet brasileiro deve crescer 8,2% em 2014, o que significa um faturamento de R$ 16,4 bilhões. Crescimento especialmente originado pelas classes C e D, setores da economia nacional que representam cada vez mais participação. 



Já nos Estados Unidos, primeiro mercado pet do mundo com 82.5 milhões de lares (68% das famílias americanas), os números são ainda mais surpreendentes. Nos últimos 20 anos, o faturamento cresceu de 17 para 58 bilhões de dólares, segundo a Associação Americana de Produtos Pet, com parcela maior para alimentação, seguida por cuidados veterinários, tosa, acessórios e serviços, dentre outros.

De acordo com pesquisa da APPA (American Pet Products Association), a distribuição de pets do mercado americano conta com o seguinte ranking (em milhões de pets):

Cachorro - 56.7
Gato - 45.3
Peixe água doce - 14.3
Peixe água salgada - 1.8
Pássaro - 6.9
Pequenos animais -  6.9
Réptil - 5.6
Cavalo - 2.8